Posts Tagged ‘lauren conrad’

As Rica tão Usando: Maxi suéter

Wednesday, May 4th, 2011

maxi suéter listrado

A peça de hoje me deixa super feliz por poder falar dela como ítem fashionista. Vê-la na lista de essenciais e indispensáveis do inverno 2011 é um sinal de que a moda nem sempre esquece do conforto. Então se prepara pra sair quase de pijama, amiga, vamo lá!

Suéter: nem preciso falar muito dessa peça, já que todo mundo foi obrigada a usar alguma de suas versões medonhas na infância: suéter é aquela blusin-di-lã que você colocava embaixo da jaqueta do uniforme em dias congelantes. Traumatizou, nega? Ok, ok, nove entre dez moçoilas da nossa geração associam suéter a essa cena lamentável:

mark darcy suéter de rena

Vamos apagar isso da mente!

Mas suéter é do bem, sua loca. Agora que tudo mudou: em tempos de calças coladérrimas como jeggings, skinnies, calças de couro e wet leggings, sua majestade, le busanfã ganha mais destaque do que merece em mocinhas de fino trato. Solução? tudo bem compredeeenho em cima.

O suéter cresceu, virou mulher e tem que encarar com muita fé:

maxi suéter com shorts

Maxi suéter ou (boyfriend sweater) é uma opção mara pra amiga que quer sair arrumada e quentinha mas acha que boyfriend blazer ta over the top pra produção. Ele dá um ar “largadinho mas quase arrumado” sem cair na mendiguice extrema. É claro que conferir se, por exemplo, empelotou de bolinha, é uma coisa necessária.

O maxi suéter num tem segredo não. Joga por cima de uma blusinha confortável (não me sai de pijama por baixo que é coisa de pobre) e tá pronta pra viver seja com calça, seja com o combo bermudinha + meia. Fica um xuxu.

maxi suéter com legging e botas

As mais ousadeeenhas arriscam usar a peça como mini-vestidos. É só botar uma meia bem quentinha (que blusa quente sem parte de baixo é coisa de pirigueti sem noção) e correr pro abraço toda confortável. Ah, a meia pode ser 3/4, 7/8, meia calça ou até a própria bota over the knee – é só respeitar as proporções do seu corpitcho e cuidar pra num achatar muito!

maxi suéter com bota over the knee

Uma outra opção que vem ganhando adeptas pelo mundinho fashionista é o maxi suéter por cima da maxi saia. Fica lindo e super ousado, mas tem que segurar o carão + cabelão pra num ficar com cara de mendiga.

maxi suéter com maxi saia

Aliás, vocês sabem quem adora um maxi suéter no friozinho, né? Espia aí nossa musa Laurenzinha fazendo o requisito:

Lauren Conrado maxi suéter

Agora, quanto a cor, parece que a que vai mandar é a cartela de tons terrososo mesmo. Um suéter na cor cru é um coringão e tanto no armário. Alias, Gigi, nossa amiga, colocou um lindíssimo em sua coleção pra C&A:

Maxi suéter coleção Gisele Bundchen C&A

Esse tá por R$ 99,90. Pra quem mora em regiões mais quentes, fica a dica de que tem vários e vários modelos parecidos com preços menores na C&A e até outras lojas de departamento. Eu (logo eu, que tenho birra com coleção de fast fashion) pretendo comprar o da Gi mesmo porque achei que vale super a pena: lã grossinha e trama bem trabalhada com cara de que vai durar.

E é isso. Só cuida da cara de mendiguinha de pijama na rua, pelamor! Depois vocês ficam falando por aí que fui eu que ensinei…

As rica tão usando: escolha sua assinatura!

Thursday, February 10th, 2011

Em um mundo em que chineses vendem paletas com 120 cores double rainbow de sombras pelo preço de uma única sombra na MAC é difícil resistir a sair cada dia como a alegoria de uma escola de samba diferente.

É quase como um vício: você começa usando sombra única sem rímel, começa a aplicar a máscara, passa pro nível de duo de sombras, trio de sombras, quarteto de sombras, cílios postiços…quando você vê, o padeiro já conhece seus cílios postiços com plumas rosas.

Mas, assim como aquela aspirante a maquiadora que é balconista da lojinha de cosméticos, ir trabalhar parecendo uma transex não te torna das profissionais mais confiáveis (pelo menos na maior parte das profissões). Quando glitter colorido diurno, delineado colorido com bocão contrastante e cílios postiços roxos não parecem mais a big deal pra você, é hora de uma intervenção.

Vamos para o golpe baixo numero 1: não que a opinião deles importe muito, mas sabe quando os homens dizem que não gostam de mulher sem maquiagem. Bem, eles não sabem o que tão dizendo.

Eu e o Russel, por exemplo, fomos enganados

A questão é que algumas meninas conseguem tornar sua maquiagem tão constante e natural que é como se tivessem escolhido uma assinatura. Sabe sua amiga que faz sempre a mesma maquiagem que valoriza muito o rosto dela e parece que já nasceu com o treco impresso na fuça? Funciona como exemplo.

Essa facilidade de saber qual o “seu make” é a mesma de definir seu estilo próprio: ganho de tempo e unidade de imagem. Quando você assimila uma coisa como parte de quem você é, torna-se mais prático realizar essa coisa. Isso quer dizer que depois de encontrar seu make, são poucas semanas até  já ser possível fazê-lo de olhos fechados enquanto cochila dentro do metrô.

Mas não confunda tudo: escolher um make assinatura não significa que você nunca mais vai usar oito cores de acabamento metálico nos seus olhos, calma lá. Os eventos e bafos dessa vida tão aí pra você criar e se montar mesmo! O legal é saber aquele shape que já funciona sempre pra criar em cima dele, ou no mínimo para emergências.

Agora pensa comigo: algumas celebridades chegam a contratar personal stylists e viasagistas para definir o make que melhor a valoriza e pode ser usado como uma marca registrada. Aquelas mulheres lindas & magras & phynas não estão sempre mais ou menos com o mesmo make? Varia uma sombra, um batonzinho dentro da mesma cartela de cores, mas a ideia e o shape são sempre os mesmos!

Se isso funciona pra desembarangar até uma Geise Arruda, com certeza vai dar certo com você que já nasceu linda desse jeito. Como o fácil não está e já nos avisou que pretende passar uma temporada viajando a Europa, vamos privar você da conta da personal stylist e ajudá-la a roubar o look das phynas de Hollyuóody.

Dá uma olhada numas inspirações aí:

Dita von Tease

Christina Aguilera tenta, mas até Santa Cher sabe que a diva burlesca de verdade é a Dita. O make dela é simples e não varia muito do red carpet pro dia a dia, anota aí:

  • Delineado grosso de gatinha;
  • Cílios carregados (com várias camadas de máscara e postiços para noite);
  • Blush rosado;
  • Batom vermelho matte (como os clássicos Ruby Woo ou Rusian Red).

Lauren Conrad

Laurenzinha, essa fofa, usa sempre um make com inspiração vintage e acabamento californiano extreme. Você nunca vai ver sombra no rosto dela (ela diz que fica com cara de velha usando sombra), mas sempre um arzinho de verão. Pra que ser saudável quando você pode usar:

  • Olhos delineados de gatinha;
  • Máscara drámatica e carregada;
  • Bronzer no lugar do blush;
  • Iluminador rosado no alto da maçã do rosto e pontos estratégicos da zona T;
  • Gloss transparente sobre batons levemente rosados, trocando por vermelho em eventos noturnos.

Taylor Swift

Ok, o make básico da Taylor chega a ser entediante e sonífero, mas funciona muito bem pra marcar a carinha de boa moça/bonequinha de porcelana com um toque de diva do brilho que ela tenta alcançar. Anotaí que é disso que o Jonas, o Taylor, o Jake, o povo gosta:

  • Blush levemente coral;
  • Sombra acastanhada de dia e prata, chumbo ou charcoal a noite;
  • Delineado de gatinha grosso na metade exterior;
  • Gloss incolor sobre boca vermelha, rosada, nude ou sozinho.

Vic Beckham

Pra agarrar marido rico e sarado e ter um wallpaper respeitável em seu iPhone de ouro, é necessário carregar no make e fazer a sua perua interior gastar o taquinho do Loubotin atrás de brilho. O mais curioso dessa iluminação toda é que Vic tá sempre com as bochechas super marcadas – seria para dar uma encorpadinha? Quer um sanduichinho, Vic?

  • Olho esfumado em cartelas castanho, preto ou chumbo;
  • Batom nude com o acabamento do momento (glossy, matte, satin…);
  • Blush coral/avermelhado realmente muito marcado mesmo;
  • Muito bronzer e iluminador.

Diane Agrom

Essa carinha de boneca saudável da Diane é o famoso make transparente. Pra conquistar o coração de todo o time de futebol americanodo colégio basta sacudir o pom pom e anotar:

  • Olho esfumado em tons de castanho/cor da pele
  • Máscara e curvex;
  • Blush delicadamente rosado;
  • Iluminador no alto da maçã do rosto;
  • Batom cor de boca.

Alexa Chung

O look da Alexa tem quase a mesma ideia do look da Dita e da Lauren. A diferença é que enquanto a Dita marca o make como diva burlesca e a Lauren quer parecer saudável, Alexa só quer dar uma consertada nas pequenas imperfeições da natureza:

  • Delineado gatinha discreto;
  • Uma camada de máscara;
  • Blush rosado no invero, coral no verão
  • Batom cor de boca

Taylor Momsem

O look da Taylor é um olhinho discreto que serve pra toda situação, bem fácil de fazer:

  • Esfregue carvão nos olhos;

BRINKS

Todo mundo sabe que esse pobre guaxinim tem que passar muito mais sombra pra chegar aos pés da Taylorzinha. Mas a receita do make é essa aí, não tem erro.

Agora, vou me pegar como exemplo: eu tenho compulsão por cor e experimentei de tudo antes de escolher um make pra ser minha assinatura. Mas, depois de encontrá-lo, foi um alívio: consigo me maquiar em cinco minutos! Fora que a Thaís já até comentou que não consegue me imaginar sem delineado, como se eu acordasse atriz da Globo todo dia com o olho pronto.

Meu make diário é: base, delineador preto gatinho, rímel, blush e batom – uma coisa meio Lauren Conrad sem sol (Lauren, te amo!) mesmo. Costumo variar  a cor do batom diariamente (entre pink aberto e vermelho aberto) e o blush sazonalmente (coral no verão, rosa no inverno).

Isso não quer dizer que eu não saia parecendo a Paola da Cats (referência curitibana) quando rola um evento que convida a montação. Só não faço isso no dia a dia e crio uma unidade de imagem que não faz com que as pessoas fiquem pensando URRATARREL toda vez que me vêem.

Afinal, a gente tem que passar despercebida às vezes pra poder estrear quando necessário, né?

As rica tão usando: mix de estampas

Wednesday, January 19th, 2011

Faz tempo que eu não falo daquela linda da Lauren Conrad por aqui, né? Mas, bichas espertas que vocês são, devem estar lembradas que no ano passado eu comprei o Style, livro com dicas de estilo dela que é mega completo e simples de ler. É claro que, depois que terminá-lo, esqueci completamente de fazer mais posts sobre as preciosidades que a moça ensina. Aí essa semana vi esse post da Thaís e lembrei de resgatar o meu pra procurar algo bacanudo pra dividir com vocês.

O trucão by Lauren de hoje é mixar estampas, essas danadas. Sim, a gente passa a vida toda ouvindo que misturar estampas é errado, brega e que deus não perdoa. Vivemos recebendo informações visuais de gente que sai na rua vestida de Cigana Dara Jacu Version e desenvolve até um pânico de trabalhar com isso.

O fato é que não é todo mundo que tem um olhar acurado na hora de selecionar cores e padrões – e isso gera vários desastres ambulantes em calçadões do Brasil. Mas, será que todo mundo tem obrigação de criar uma bicha designer interior pra resolver o problema?

Se Blair Waldorf faz não pode ser errado

Olha, um espelho de corpo inteiro em casa já ajuda horrores, mas nem sempre é o suficiente. É por isso que a Lauren desenvolveu um guia resumindo quatro dicas facinhas que fazem com que você não se perca e saia de casa parecendo uma alegoria na hora de fazer a bicha criativa.

Já vi gente que não tem talento nenhum pra combinar padrões conseguindo acertar depois de memorizar esse manualzinho. De qualquer forma, dei uma revisadinha, adicionei uns pitacos próprios e adaptei-as pro nosso JEITINHO FASHION DESCONTROL DE EXPLICAR. Então, bee, anota aí:

I – Fundos neutros: o primeiro macete para não errar na hora de combinar estamparia é escolher duas peças que tenham fundos neutros (como preto, branco ou marrom). Não significa que é proibido usar um amarelo,verde, rosa, azul, marinho ou vermelho no fundo, mas sim que antes é preciso acostumar o olho com essa mistura para não errar depois.

Misturar com Polka Dots traz resultados delicados.

O que sabemos é que é extremamente difícil que uma cor mais aberta fique bem com outra cor mais aberta na hora do mix de estampas: se você escolher rosa fluo floral com amarelo de bolinhas o efeito deve ser próximo a algo como “sobrinha fashionista punk do Bozo”.

II – Cores em comum: Outro truque pra quem ainda não tem o olho treinado é verificar se as padronagens tem uma cor em comum. Por exemplo, se você misturar uma blusinha floral com uma saia navy, procure o azul marinho do navy no padrão das flores. Pra errar ainda menos: use como fundo de uma estampa em uma das peças uma cor que esteja presente em detalhes estampa da outra, entende?

A Nicole, do Fantástico mundo de Nicole, usou um xadrez com o mesmo verde água que aparece em alguns detalhes do floral.

III – Trabalhando com proporção: A mixagem de estampas fica engraçadinha e ousada quando você aprende a brincar também com as proporções: polka dots pequenininhos ficam bem com listras largas. Listras largas ficam bem com listras estreitas. Florzinhas miúdas ficam bem com listras gigantes. A análise combinatória possível aqui é gigantesca e pode envolver até truques para valorizar as proporções do seu corpinho e arrasar no modelito.

Dasha Zhukova ganhou muitos pontos por não errar nem na cor nem na proporção.

A única coisa é que você pode combinar listras, mas listas são aquelas em que você anota o que acabou na despensa pra comprar no mercadinho, amiga. Se eu ver alguém falando errado isso nos comentários, vai rolar bullying feroz e eu tô avisando – isso aqui tem mais estudantes de Letras do que é seguro pra um fashion blog.

IV – Três é demais: Essa é até meio óbvia, mas a gente sempre tem que trabalhar com manuais a prova de dúvidas pra não se assustar depois na rua: pra tudo não virar uma grande salada, misture no máximo duas peças estampadas e tente uní-las por uma lisa. Um cinto largo, um cardigan oversized, uma sapatilha sem detalhes…qualquer coisa sem frescurinha nenhuma! Ah, e em cor neutra, por gentileza!

Mesmo com as flores e o navy mega chamativos, a calça jeans neutra quebra o excesso de informação do look.

Olha, eu sei que muita gente deve pensar que não precisa usar isso, mas qualquer caminhada no centro de sua cidade vai te lembrar que a humanidade é capaz de coisas terríveis como o holocausto, bombas atômicas ou usar um cinto marcando a cintura em couro python fúcsia e fivela gigantescamente trabalhada. Eu juro que já vi isso, gente, e não era um cinto da SulCenter ou C&A que fosse – digamos que se tratava de uma colega com potencial financeiro até. Nunca mais consegui dormir depois desse evento.

O que importa mesmo é que depois de aprender esses truques visuais você virou uma bee mais espertinha e pode até sair fazendo a diva da criatividade por aí, não é mesmo? Olha só, eu já tô dando meus pulinhos:

Só não vá me fazer isso em nenhum evento mais formal, heim, sua loca? Isso é pra passear a tarde com o bofe, ir num barzinho sossegado, fazer compras cazamigue, almoçar na casa da vó, levar cachorro no parque e demais eventos “nasci linda” que aconteçam! Depois cês fazem caquinha e ficam dizendo que fui eu que mandei…

#comofas: escolhendo seu vestido preto básico

Saturday, October 16th, 2010

lauren conrad little black dress

Assim como o Tim Gunn, Lauren Conrad também fala (em seu livro Style) sobre o guarda roupa básico feminino. Li os três primeiros capítulos do livro (tava de graça, ué) a partir do link indicado pela Camila Coutinho pra avaliar se valia a compra.

lauren conrad livro style

Algo que me chamou atenção na descrição da Lauren (intchimidadjy) sobre o guarda roupa ideal é que ela começa falando sobre estilo: algo como achar aquele estilo seu e só seu - que pode até ser inspirado em uma celeb ou na sua amiga, mas é seu – e só depois procure as peças básicas dentro desse estilo que te define.

Eu iria mais além que Lauren Conrad: ache seu estilo e conheça seu corpo, saiba o que funciona nele. E é a partir dessa ótica que eu quero falar de uma das peças mais básicas, clássicas e versáteis do guarda roupa feminino: o Little Black Dress (ou vestidinho preto pras mais ufanistas).

classic audrey hepburn

Boatos dizem que a febre do Little Black Dress foi iniciada pela divônica Audrey Hepburn em seu clássico Breakfeast at Tiffany’s (Bonequinha de Luxo em Terra Brasillis). Muito provavelmente foi a Audrey que ensinou essa lição, mas o modelinho preto básico se espalhou por outros motivos cultuados pela sabedoria popular:

Preto emagrece

Preto é chique e clássico

Preto combina com tudo e todo mundo

Os benefícios da cor preta são discutíveis, mas saber que seu vestidinho preto matador está no seu armário para te apoiar em uma festa de última hora (ou casamento de sua arquinimiga) é revigorante. Pra realmente estar gatíssima, na hora de comprar seu little black dress procure uma modelagem que valorize seu corpo. Azamiga aqui te ajudam, olha só:

tipos de corpo

Vamos partir da generalização que existem 5 modelos de corpo: oval, reângulo, ampulheta, triângulo e triângulo invertido. O objetivo é transformar todas essas formas em gatinhas tipo ampulheta só com a ilusão de ótica causada com o vestido. Se achou aí? Bora conhecer o melhor modelo pra você então:

Oval

vestidinho preto corpo oval

O corpo oval geralmente está acima do peso. Sem sombra de dúvidas esse é o corpo mais difícil de “ampulhetar” mas Yes, we can! Você pode usar decotes em V ou U(chamar atenção para o colo), procurar cobrir os braços e deixar os pulsos de fora (parte mais magra do corpo) e exibir as perninhas a partir da altura do joelho. Nada de criar volumes, procure peças acinturadas, de preferência com corte evasê sem pregas e sem volume na saia. E fuja correndo como se não houvesse amanhã do balonê.

Combine seu pretinho básico com: blazer sempre bem acinturado e jóias para chamar atenção para colo e pescoço.

Retângulo

vestidinho preto corpo retangulo

Seus ombros cinturas e quadris tem a mesma medida, então um efeito ampulheta também vai ser um desafio em você. Mas, novamente, desafiamos a natureza: procure um modelo evasê com volume leve na saia e no colo. Outra boa opção é um vestido corsetado com saia avolumada. Como peso não é seu problema, você pode exibir pernas e braços com moderação. Decotes em V, U ou canoa são bem vindos para você.

Combine seu pretinho básico com: blazer sempre bem acinturado e jóias para chamar atenção para colo e pescoço.

Ampulheta

vestidinho preto corpo ampulheta

Proporcional. Isso significa que cê já nasceu linda sua loca, sai daqui. Qualquer vestido vai cair bem em você, então se oriente mais pelo seu peso: se você estiver acima do peso o efeito de vestidos adesivos será um tiro no pé. Se esse for o caso, prefira modelagens mais soltinhas. Caso você esteja com tudo em cima, se joga no bandage com força que vai ficar gatíssima na balada. Apenas evite cortes retos (que te transformarão num triângulo) e vestidos trapézio (que podem dar aquela engordadinha básica).

Triângulo

vestidinho preto corpo triangulo

Você é abundante na preferência nacional (if you know what i meeeeean) mas seus seios não são tão fartos. Podemos criar volume para eles então da seguinte forma: se você é bem magrinha, um vestido do tipo tomara que caia vai resolver bem o problema. Mas se não é o caso de ter toda essa segurança com seu corpo, experimente decotes levíssimos em vestidos evasê. Fuja de tudo que for cintura baixa e nada de peças justas e curtas na saia! Cintos marcando a cintura dão um toque bacana.

Triângulo Invertido

vestidinho preto corpo triangulo invertido

Aqui (obviamente) o caso é inverso: quadril não é seu forte mas os homens devem ter dificuldade em olhar nos seus olhos. Um modelo frente única vai valorizar o que você tem. Não precisa ter um decote gigante, amiga, por valorizar não entenda piriguetizar. Caso você opte por alças, procure as mais fininhas. E pode se jogar no volumão na saia, usando muito balonê.

 

E pra quem ficou curiosa se eu afinal comprei o livro da Lauren Conrad: sim, sim siiim! Ele está a caminho, saindo da Amazon direto para os meus braços por mais ou menos onze dólares + frete. E eu super recomendo a leitura porque até ensinar a comprar jeans a mulher ensina – e a única coisa mais básica do que o vestidinho preto é um bom par de jeans que te deixe com tudo em cima.