Archive for March, 2012

Custo aqui x custo lá fora, o que compensa?

Thursday, March 29th, 2012

Estava conversando com um colega de trabalho que vai viajar pra fora e entramos na discussão: o que vale comprar fora o que não hoje em dia?

A gente tem essa sensação de que tudo no mundo é muito caro no Brasil e ridiculamente barato no exterior. Por causa disso, criamos a preferência por comprar enxoval (a Helô comprou o da Cecília em Miami), vestido de noiva, eletrônicos pra casa, celulares, perfumes e – claro – muita maquiagem no exterior. E isso acontece desde com quem pode viajar todo ano até quem apenas faz as famosas encomendinhas pras amigas.

Mas nem sempre o custo de venda Brasil é  tãao mais caro que o do exterior hoje em dia. Já  existem marcas que antes eram impraticáveis de serem compradas por aqui (como a Revlon e a Victoria’s Secret) que podem ser encontradas em qualquer esquina. Por causa disso, fiz uma listinha de coisas que eu ainda encomendo das amigas que vão pra fora (classe média feelings) e coisas que já prefiro comprar aqui com o motivo. Quem sabe isso não inspira as compras de vocês aqui e lá fora?

Perfumes: Perfumes em geral compensam muito! A economia às vezes chega quase próximo a 50% do valor (o que em porcentagem é menos do que o esperado). Mas em cifras, um perfume de 350 dinheiros aqui custa no máximo 120 dólares lá. Faz a conversão pra ver como você  economiza.

MAC: Preciso nem explicar muito, né? Enquanto os batonzinhos amados e Fluidlines da vida custam 75 reais por aqui, nas MACs americanas você os compra por 15 dólares. 15 DÓLARES. Cada batom aqui paga três lá praticamente. Isso sem falar em bases e pincéis que podem gerar uma economia de quase cem dinheiros por peça. De enlouquecer?

Bases grifadas: Sabe aquelas bases de rica? Tipo Chanel, Dior, Guerlain… Aquelas marcas que a gente compra e fica com dózinha de usar todo dia? Pois é, elas chegam a custar 200% mais caro no Brasil que no exterior. Nessas horas, a dica lá fora  é se embrenhar numa Sephora com espírito aventureiro no coração e investigar tudo sobre sua cor de pele + acabamento favorito pra sair com um mini estoquinho. Principalmente se você viaja tanto quanto eu (ou seja, nunca).

Além disso,  anote  essas marcas preciosas que praticamente só são encontradas lá fora (ou aqui dentro com precinhos impraticáveis): Benefit, MUA, Kiko Make Up, Too Faced, Morrocan Oil, Pupa, Bed Head… Todas coisas lindas que eu uso sempre e não tenho coragem de pagar aqui.

Victoria’s Secret – coqueluche essa, heim? Houve uma época que você só era alguém na vida se cheirasse a baunilha ou morango com champagne. Hoje, como já dito, você encontra Victoria’s Secret em qualquer esquina por 30 a 40 dinheirinhos. Não é tão barato quanto nos EUA (que dá pra pegar promoções por menos de 5 dólares), mas o tanto que é mais caro não é em valor bruto significante o suficiente pra você ficar sem seu perfume caso não viaje.

Eu prefiro comprar aqui meus creminhos e body splashes sempre que descubro um sabor novo gostosinho. Até porque não sou viajante expert e as amigas que trazem Victoria’s Secret lucram quase nada com o produto vendido (paga nem a viagem, gente, muito barato).

Revlon – Vide Victoria’s Gate acima. Revlon continua sendo uns 200% mais caro no Brasil, mas são 200% mais caro que não somam nem dez reais em esmaltes e batonzinhos. Mais uma vez, se a economia não paga a passagem, não ocupe volume nos seus amados 32 quilinhos.

E vocês? O que trazem de fora ou encomendam dazamigue viajantes ultimamente? Dêem a dica aqui nos comentários!

Blush Líquido O Boticário

Wednesday, March 28th, 2012

Essa semana fui ao Boticário em busca do Kit Fun de Páscoa, mas ele já estava esgotado… Para não perder viagem, acabei dando uma olhadinha no balcão de maquiagem e meus olhos foram diretamente atraídos por essa belezinha: o blush líquido da linha Intense do Boticário.

Esse blush já tinha sido vendido por um bom tempo, mas havia saído de linha há tempos e eu vivia perguntando por ele, porque morria de vontade de testar! Por isso, quando vi, já tratei de pegar um para chamar de meu.

A embalagem é praticamente igual a de um vidro de esmalte, só um pouco maior. Até o aplicador é igual a um de esmalte!

O produto tem uma fragrância que lembra maçã-verde e é super pigmentado. Além disso, seca super rápido, então tem que passar e já esfumar para não arriscar ficar manchado. Ah, eu prefiro usar um pincel para esfumar, porque usando os dedos eles acabam ficando manchados.

No começo confesso que tive um pouco de dificuldades, mas agora já consigo espalhar bem rapidinho e acertar no ponto da cor para não ficar parecendo a Emília.

O vidro custa R$ 22,99 e tem 13ml.

Arrumando a mala: dá pra ser uma turista prática e fashion?

Tuesday, March 27th, 2012

Lindsays, tô há dias às voltas com uma ideia fixa que preciso compartilhar com vocês. A questão que me corrói é: dá pra ser turista e fashion?

Comecei a me questionar ao ver as fotos da viagem mais recente com o marido. É um tal de calça jeans, camiseta, tênis e até boné que bitch, please! O problema – no meu caso, solução – é que sou adepta do conforto e das MALAS PEQUENAS. Isso mesmo, minha mala em viagens costuma ser bem básica que é pra não ter erro nem dúvida, ser fácil de carregar e não dar problema.

Aí aconteceu de ficar lendo blogueiras de moda e beleza todas viajantes pra lá e pra cá com looks mara e saltões melhores ainda, fazendo turismo nas ~Zooropa e trocando de bolsa, óculos de sol e jaqueta de couro todo dia e acabei surtando: também quero! Botei na cabeça que minha próxima viagem PRECISA ser mais fashion. Chega de parecer turista nas fotos! Porém, me nego a viajar com dúzias de malas e vinte pares de sapato. Então, #comofas?

Depois de pensar e pesquisar bastante, estou fazendo a mala pra próxima viagem seguindo algumas dicas básicas que quero dividir com vocês. Serão cinco dias em Toronto (CA) e a primeira coisa que quem tá com viagem marcada precisa fazer antes da mala é ver a previsão do tempo (tô ferrada, máxima de 16ºC!). Aí é começar a montar o quebra-cabeças:

  • A ideia é levar roupas em tons básicos, que combinem entre si pra poder brincar de “escravos de Jó” sem dó. Logo, evitar muitas estampas também me parece esperto.

  • Uma semana de viagem = 2 calças e umas 10 partes de cima (entre camisas/camisetas e blusinhas de manga longa e curta).

  • Uma malha de lã ou casaquinho ou até jaquetinha jeans para dias mais quentes.

  • Jaquetona quente pra todo dia e para “cenas externas” (porque tudo tem calefação, né, então é chegar nos lugares e tirar).

  • Como turismo significa andar, andar, explorar, talvez se perder e andar mais um pouco, acho que dá pra abolir o salto – o que vocês acham? Mas conforto não significa perder a elegância, certo? Dá pra abusar dos Oxford confortabilíssimos (recém adquiri um de glitter da Moleca que eu AMEI) e de uma bota de cano baixo (a minha é essa), alternando com tênis nos dias mais hardcore. (Se estivesse calor? Sapatilhas, lógico!)

  • Investir bastante em acessórios para quebrar o monocromático. Acessórios podem mudar um visual e ocupam pouco espaço, então echarpes, pashminas quentinhas, luvas e até uma touquinha ou um chapéu podem ser bem-vindos. E, aí sim: nos acessórios deve rolar muita cor, estampa e textura, porque eles serão a alegria dos looks!

  • Para completar, como tenho um jantar hype marcado, vou levar um vestido basiquinho preto de malha que dá pra usar lindamente com uma legging azul klein ou uma outra meia calça poderosa e aquele oxford com glitter. Yay!

Nem vou entrar no papo de lingerie, meias e pijamas, porque, né? Capitão Obvious. E necessaire de viagem de makes e cremes dão outro post. Mas, como todo mundo é filho de deus, minhas últimas dicas são duas coisinhas que quase não ocupam espaço na mala e são mega úteis se você voltar com umas comprinhas a mais:

  • Uma balança de malas (tipo essa que você encontra em qualquer Casa China da vida e não custa caro) pra saber se você não vai sair da linha e pagar excesso de bagagem (SOS!):

  • E alguns Vacuum Bags que podem aumentar o peso da mala, mas também fazem caber MUITO mais coisas 😉

E vocês, girls, acham que rola ser turista fashion? Ou precisa mesmo levar o guarda-roupas todo e mais uma mala de Loubotins e It Bags pra ser feliz?

#Freesnob

Friday, March 23rd, 2012

Lembra quando palavras  como “blogosfera” foram inventadas  pra tentar descrever o fenômeno da expansão dos blogs? E quando foi a  primeira vez que você teve impressão que até sua sobrinha de seis anos já tinha blog  de beleza?  Eu lembro. E lembro também quando alguém disse que isso era ruim, todas nós compramos  e começou uma onda de ódio.

Tudo que era relacionado aos  clichês de blog de beleza virou brega,  atestado de burrice, de falta de originalidade, de falta de bom senso estético e, principalmente, virou exposição pra  que te ridicularizassem forte.

Antes, tirar foto de Snob era sinônimo da riqueza. Depois, orkutizou. Quem usa é  póbrinha, é  cafona.  E  pelo jeito, existe algum estatuto perdido por aí que diz que quem orkutiza e é cafona tem obrigação de aceitar ridicularização pesada e de cunho pessoal.

O fato é que tem blogueira que virou celeb mesmo, sabe? Afinal, ser celebridade, ser uma pessoa celebrada, não é quando você é conhecida por algo de ponta a ponta e inspira tanto as pessoas com seu trabalho que elas querem saber da sua vida pessoal? O problema é até onde podemos perseguir essas celebs.  Eu acho que um blog que se propõe a fazer críticas construtivas e semear o bem na blogosfera através de fiscalização intensa do conteúdo alheio pode até  ser uma boa ideia. Em épocas de jabás mal explicados e publis mal  sinalizados, acho que faz sentido sim.

Mas e quando acham que crítica profissional a blogueira é  falar mal do marido? Falar quem traiu com o vizinho? Falar que o bicão de Snob dela é coisa de pobre xexelenta? Falar que ela é vagabuda porque usa a saia menor ou a boca mais marcada?

Isso, gente, isso não pode. Porque isso é confundir alhos com bugalhos. Dúvido aqui que alguém ache que a sogra tem direito de se meter, opinar ou palpitar sobre a sua vida pessoal, certo? Então porque você, amiga dona de casa, que nem conhece a blogueira fulaninha tem esse direito de falar  da vida dela?

Eu pensei muito e acho que a única coisa que faz alguém achar que tem direito de se incomodar com o quanto a ciclana pagou na sua bolsa Prada é a incompreensão. Porque assim, eu acho que eu que devo me entender com meu gerente do banco pra pagar minhas contas, mas tem gente que não compreende esse conceito e acha que pode se meter na vida alheia fortemente. Principalmente pra dar conselhos tão construtivos pra auto estima alheia como “Gasta tanto em sapato e sai com essa pele toda cágada, misericórdia’.

Amiga, blogueira é gente e tem coraçãozinho. E se você tá super inspirada a falar algo da pele/cabelo/bom gosto/vida sexual/vida afetiva/obesidade da mãezinha de alguém, aplique a seguinte regra:

COMO VOCÊ  AGIRIA SE ESTIVESSE NAVEGANDO NA INTERNET E VISSE ESSA CRÍTICA À SUA PESSOA?

Eu sei, amiga, eu sei, falar mal dos outros é uma tentação absurda. Mas para pra pensar, quanta gente você já pode ter magoado com isso. Até porque entre “pensar mal” > “fofoquinha com  as amigas” > “comentários odiosos em blogs de gente que eu nem conheço”  tem um gap enooooorme.

Aí tem as que defendem “mas a blogueira se expõe”. Querida, anota essa:  TODO MUNDO NESSE FUCKING WORLD SE EXPÕE. A única coisa que muda é a quantidade de pessoas e universo em que você faz isso. 

Se a blogueira se expõe todos os dias pra, digamos, 10 mil pessoas que acessam suas páginas, uma contadora se expõe  todos os dias pra uns dez clientes. Uma dentista pra uns dez pacientes. Isso dá  o direito dessas pessoas que consomem o serviço delas falarem mal delas? Não, mas pode acontecer. Agora, isso dá o direito dessas pessoas falarem mal delas em um lugar público com acesso irrestrito? Não, não mesmo.

Para pra pensar amiga: se seus clientes ou fornecedores ou pacientes ou alunos fizessem um site só pra falar como você se veste mal, como você se acha, como você é brega ou o escândalo que foi a separação do seu marido…  Seria confortável?

Então, o que eles  deveriam fazer se sentem-se tão mal com a sua pessoa? Eu respondo essa: parar de frequentar seu estabelecimento. Logo, quem tá muito, muito infeliz com o estilo de uma blogueira, eu aviso que só tem um remédio: fechar a janela e ir ler um livro.

Digo isso porque tem leitoras que acham que vão ser as salvadoras da pátria se zoarem tão fortemente um blog que as agências parem de patrocinar ele. Amiga, deixa eu te contar: as agências querem números. E cada vez que você acessa um blogzinho pra odiá-lo, você tá botando mais um numerozinho na caixinha.

Quando a gente não gosta de MacDonald’s e acha que aquele preço de sanduíche é ultrajante, a gente para de comer lá ou fica comendo e gritando o quanto é ruim? Quando a gente  acha que a Rede Globo é ruim, divulga boicote no Facebook ou fica assistindo enquanto grita na janela que BBB é uma merda? Quem é que tá fazendo a louca então?

Amiga,  então por que quando você  acha um blog  ruim continua acessando? Gerando pageview? Daí você vai lá, passa raiva porque odeia aquela colega, se sente tão agredida de ver essa coisa terrível que vomita um monte de coisas ruins, feias em cima de um blog dedicado ao ódio por ela.

Ela não te pediu pra acessar,  florzinha.  Você foi lá sozinha, se sentiu agredida por uma atitude sua e atirou seu ódio rumo a outra pessoa que nem te conhece. Por algo que ninguém no universo te obrigou a fazer. E você acha que tem direito de fazer isso por quê?

Então querida, anota: blogueira é gente, gente de corpo, alma e coração. A gente é assim, sensível demais.

Então hoje, pra refletir sobre esses mexericos, essa palpitação toda e defender o direito de cada lynda desse meu Brasilzão blogueiro de usar a cor que quiser na roupa ou make que quiser faznedo a pose que quiser,  vamos ao extremo:

 

#FreeSnob!

Estamos voltando as origens dos blogs de belza e trocando nossos avatares por bicões bem lambuzadinhos de Snob  –  o cúmulo da agressão visual pras fiscais blogueiras. E a gente tá fazendo isso pra fazer só um questionamento: em que meu bico te feriu? Em que meu Snob te feriu? E por que ele te daria o direito de falar coisas duras sobre mim em lugares públicos sem me conhecer.

É só pra pensar gente: às vezes a gente tá tão acostumada a fazer o mal que nem nota o tamanho do que tá fazendo. Dúvida? Passa seu Snob, faz bico pro espelho e se questiona se você  tá machucando alguém com isso pra verificar, então…

Tutorial: My Little Brown Make Up

Friday, March 23rd, 2012

Depois do último tutorial, que foi mega colorido, hoje eu quis mostrar uma maquiagem mais básica, um esfumadinho marrom que é minha maquiagem de praticamente todos os dias!

Vamos lá?

Para começar, a foto do desapego total da dignidade: rosto sem nada, só com protetor solar (1).

Ao lado, na foto 2, o rosto já está com base e corretivo. Usei a base efeito matte da linha Intense do Boticário e corretivo da mesma marca (2).

 

Agora a maquiagem para os olhos. Primeiro de tudo aplico um primer. Normalmente uso o do Boticário no dia-a-dia, mas não encontrei ele hoje e acabei usando o da Urban Decay mesmo (3). Espalho o primer com o dedo até que ele suma (4).

 

Aplico então a sombra. Escolhi o quarteto Coffee Bean da Revlon, que é um dos meus favoritos já há muito tempo. Uso o tom médio do canto interno até a metade do olho, usando o pincel de esponja do próprio kit (5 e 6 – percebam que a sombra é praticamente da mesma cor da minha pele).

Usando o mesmo pincel de esponja, aplico o tom de marrom seguinte, mais escuro e com uma leve cintilância, a partir da metade do olho até o canto externo (7 e 8). Esfumo usando o dedo mesmo (9). Fica assim (10).

Usando o outro pincel de esponja que vem com o quarteto e que é mais ‘bicudinho’, pego a sombra mais escura do quarteto e marco bem o côncavo e o canto externo do olho (11 e 12). Aplico a sombra mais clara do quarteto no cantinho interno do olho e rente às sobrancelhas. Esfumo tudo usando o dedo (13).

Pego um pincel chanfrado e com a sombra mais escura do quarteto corrijo as falhas nas sobrancelhas (14 e 15).

Passo lápis para olho preto na linha d’água – usei o Technakohl Liner Kajal Graphblack da MAC (16) e rímel nos cílios – usei o Zoom Lash, da MAC (17 e 18).

Finalizo a maquiagem passando blush (usei o Peach do Boticário) e batom (usei uma misturinha do 27 da Vult com o 231 do Boticário). E está pronto!

É uma maquiagem básica mas que acaba valorizando bastante os olhos, sendo perfeita para trabalhar até nos ambientes mais restritos. Para quem sentiu falta de cores, preparem-se para o próximo tutorial!!!

Esponjas Faciais Ecotools

Thursday, March 22nd, 2012

Hoje aqui no Fashion Descontrol, a gente acordou numa vibe de simplificar a vida. Deblícia já nos explicou que passar um batom vermelho é bem mais fácil do que parece e eu vou falar um pouquinho sobre como limpar o rosto.

Nessa onda de Clarisonic, Sigma Cleansing & Polishing Tool (que a Bel mostrou aqui, e que eu tenho também!), muita gente se esqueceu das boas e velhas esponjinhas de rosto.

Usar só sabonete muitas vezes não é o suficiente para uma limpeza eficaz do rosto, especialmente para as pessoas com os poros mais abertos e que têm mais tendência para a formação de cravos e espinhas. Por isso, usar uma esponja facial, seja ela sintética, vegetal, ou esponja natural (Bob Esponja CHORA!) é uma ótima alternativa para manter a pele sempre bonita.

Por isso hoje eu resolvi mostrar as esponjinhas que estou usando nos últimos tempos: da Ecotools. Essa é uma esponja vegetal, feita com fibras de Loofah, que nada mais é do que a nossa bucha, e que limpa o rosto, enquanto promove uma leve esfoliação.

Eu tenho gostado bastante dessa esponja. O rosto fica limpinho e percebi uma redução na oleosidade da pele. Como ela não possui nenhum motor nem nada, é na mão mesmo, fica mais fácil de controlar a intensidade do uso, evitando que a pele fique sensibilizada após o uso.

Comprei um pacotinho com 6 esponjas por 1 dólar na Ulta. Mas dá para usar qualquer outra esponjinha dessas que têm nos mercados e farmácias para vender, que o resultado será o mesmo!

No, no drama

Thursday, March 22nd, 2012

Desde que os blogs de beleza surgiram, nós começamos a agregar milhares de dicas  de beleza acompanhadas de palavras como tem que ter, must have e essencial. Nossas necessaires antes só tinham uma sombra, um gloss e um pincel esponjinha. Hoje, não dá  pra sair sem corretivo, base, primer, pó, batom, máscara, três cores de sombras e uns quatro pincéis.

É claro que com isso aprendemos mil truques e usamos  produtos muuuito melhores,  por outro andamos exagerando levemente. O batom vermelho, por exemplo: antigamente era só passar ele e pronto, tava lindsay. Hoje, são mil frescurinhas pra conseguir passá-lo e sair de casa. O Beauty Department, dá minha diva Lauren Conrad, até publicou um tutorialzinho de perfect red lips.

Ok,  o trucão de  pós finalizadores por cima do batom é mesmo uma das melhores coisas da vida (to pra fazer um post do tema faz séculos pra vocês, aguardem). Agora, esfoliar com escovinha? Esfumar com pincel de sombra? Será que tudo isso é essencial pra vida?

Eu fico um pouco incomodada porque não só eu não faço tudo isso como acho uma perda de tempo sem fim. Costumo acordar correndo, cinco minutos de sono a mais são preciosos, tomo café na  mesa da cozinha com o noivo e enquanto ele passa a camisa dele eu lavo as canecas e passo o batom.

É claro que truques de aplicação rápida que fazem a durabilidade  aumentar acabam sendo lucrativos pra mim em minutos no final do dia, mas esfoliar toda vez? Really? Num uso nem primer, colegas…

E vocês? Acham que eu to muito mulabentinha e usam toda a parafernalha também? Ou também tão morrendo por mais dois minutinhos de travesseiro?

Florzinha por florzão

Wednesday, March 21st, 2012

Esses dias, Rafa tava comentando comigo que vê litros de looks Mint nos Lookbooks da vida mas não encontrar na rua. É assim mesmo, né, gente? Tem tendência mundial que simplesmente não cola ou demora muito pra chegar.

Eu, particularmente, acho a moda pastel uma graça, mas não funciona no nosso estilo de vida. A maioria de nós sai de casa cedo, traça  caminhos ~inóspitos e não tem muito tempo pra cuidar das  próprias roupas. Acho que peças que mancham fácil e ainda marcam tanto no uso como um tom pastel acabam sendo um tormento pras brazucas. Tô louca de pensar assim?

De qualquer forma, tem uma outra tendencinha que eu aposto que pega forte por aqui: as maxi flores. Não, não é aquela florzinha mimosinha e graciosa (vulgo Liberty) que a gente viu saindo pelos bueiros nos últimos anos. É um padrão de flores bem maiores, geralmente aplicadas a fundos pretos ou azuis marinhos. Uma coisa bem carão de rica e milionária mesmo, sabe? Tipo assim:

Vai dizer que a bonitinha da Jessica (do Tuula Vintage) não endeusou instantâneamente com esse  look? Principalmente com essa maxi clutch vermelha, que de prática não tem nada, mas deixa todo mundo com cara de milionária da novela mexicana.

O legal desses looks com maxi flores é que eles são bem mais democráticos do que os com as Liberty. Enquanto as florzinhas menores deixavam o visual com um aspecto menininha bem romântico, as flores mais amplas passam uma mensagem de maturidade e personalidade. Só dar uma olhada nessa mocinha toda diva no Stocholm StreetStyle.

E vocês? Acham que essas flores mais amplas pegam? Eu não só acho que pegam, como já quero as minhas pra ficar com cara de rica, phyna e bem sucedida. Afinal, não é a toa que essas estampas florais com fundo escuro sempre  parecem vir acompanhadas de acessórios douradinhos, não é?

Motherhood

Wednesday, March 21st, 2012

Oi meninas

Estou aproveitando uma folguinha da minha agenda de mamãe para dar um oizinho para vocês e contar um pouquinho sobre a maravilhosa experiência de dar a luz. Cecília nasceu com 48 cm e 2,850 kg, super bem graças a Deus. Ela nasceu pequenininha o que foi um alívio, já que tive diabetes gestacional e ela ser menorzinha é sinal de que minha diabetes foi controlada. Quando escutei seu chorinho pela primeira vez meu coração parecia explodir. Meninas, não há nada mais sublime e emocionante do que esse momento na vida de uma mulher. Não tenho palavras para descrever. Meu marido e eu entramos numa explosão de sentimentos que não consigo colocar em palavras. Só lhes digo que foi inesquecível. Desde então estamos grudadinhas. Nos adaptando. Os primeiros dias são mais difíceis. Você não sabe direito o que se passa  a cada chorinho e a cada resmunguinho. Mas no decorrer dos dias mãe e filha já estão em maior sintonia. Agora já consigo entender alguns sinais do que se passa com ela. A natureza é divina. O seu senso de amor e proteção amplia em 1000 por cento. Você acha que já amou alguém?  Não, você não ama como vai amar seu filho. Estou encantada com a minha filha e digo com todas as letras: SER MÃE É A MELHOR COISA DO MUNDO.

 

 

 

 

 

 

Passei por aqui só para agradecer os comentários carinhosos e as mensagens de carinho que tenho recebido nesses dias e para lhes dizer que tudo isso é maravilhoso. Assim que possível faço um post sobre lactância e dicas de cuidados  que tenho aprendido , ok? Acho que vai ser bem interessante para as futuras mamãe do Fashion Descontrol.

Nos vemos em breve!

Beijokas

Helo

OMG ;) Eye Pencil

Tuesday, March 20th, 2012

Coisas fofas com nomes fofos: tem como não amar??? Por isso, assim que coloquei minhas mãos nesse lápis da Hardy Candy, não tive dúvidas: tive que vir postar!

Ganhei esse lápis de brinde em mais uma compra de Moroccanoil (comprei o óleo gentem!!! Aguardem a resenha!) e me apaixonei assim que vi: é um lápis retrátil na cor azul marinho, super chique! Aliás, acho que as brasileiras deviam apostar mais na cor, que é sucesso nos Estados Unidos e na Europa, além de ser sempre um clássico!

A embalagem é de plástico azulzinho, bem delicado. E a ponta é oval! Segundo a embalagem, esse formato da ponta facilita a aplicação tanto em traços mais finos quanto para fazer um delineado mais gordinho.

A textura é cremosa, mas não muito. A pigmentação é boa e a duração é melhor ainda. Desbota um pouco ao longo do dia, mas não some e também não transfere mesmo com a minha pálpebra sendo mega oleosa.

Aqui tem uma amostra na pálpebra:

O meu foi a Silvia Spinassi que mandou de brinde. Procurei para comprar pela internet mas não achei, então se alguém souber de alguma loja que venda os produtos da marca e entrega no Brasil, compartilhe nos comentários!