14 dados para conhecer e ter mais saudável, mais o teu coração

Rate this post

Entender a anatomia cardíaca é fundamental para compreender as doenças do coração. Este se encontra no lado esquerdo do peito, perto da parte média. Tem a forma de um cone invertido, mede cerca de 12 cm de comprimento e pesando entre 250 e 300 gramas.


Se eu tivesse que descrevê-lo em uma breve frase de dizer que é a única peça que é essencial que cuidemos do nosso corpo“, confessa, em uma entrevista com Infosalus a cardióloga Letícia Fernández-Friera, que foi escrito junto com seu marido e também cardiologista, Jorge Solís, ‘A saúde do seu coração’ (Esfera dos Livros), um livro para prevenir, curar e investigar sobre o coração, e a partir do qual detalha uma série de dados sobre esse órgão, que talvez te interessem:


1.- O coração bate cerca de 70 vezes por minuto, mas adapta a sua frequência de acordo com as circunstâncias.


2.- Como saber que o nosso coração está doente? “Muitas vezes dá sintomas, como dor, fadiga, afogamento, ou bate mais depressa e dá palpitações. São os chamados ‘sintomas de alarme’, embora, por vezes, pode ter a doença sem que o saibamos. Por isso há que chequearlo se temos fatores de risco”, explica a especialista.


3.- Isso sim, adverte para o fato de que, enquanto a idade, o sexo e a história familiar são fatores de risco que não podem mudar, há outros fatores, como a hipertensão arterial, a diabetes mellitus, hipercolesterolemia, o tabaco, a obesidade e o sedentarismo, que se podem controlar.


4.- O coração tem 4 cavidades: duas superiores (átrios) e duas inferiores (ventrículos). O músculo cardíaco tem a capacidade de contrair-se (sístole) para poder empurrar o sangue por nosso organismo e relaxar (aorta) para coletar o sangue.


5.- Diretrizes para cuidar da saúde do nosso coração: dieta, exercício físico, comer com pouco sal, comer poucos produtos pré-cozinhados, embalados, controlar as gorduras saturadas na carne vermelha e produtos de charcutaria, fazer exercício físico regular (ao menos três vezes por semana, 30 minutos), controlar a tensão e o açúcar na ilha do sal, não fumar, e que o colesterol está mais baixo, além de acompanhar muito o colesterol ruim .


6.- As artérias do coração são principalmente dois: a artéria coronária esquerda e a artéria coronária direita.Temos quatro válvulas (aórtica, pulmonar, mitral e familiar) que permitem dirigir o sangue dentro do coração.


7.- O coração tem o seu próprio sistema elétrico para criar estímulos e poder se contrair e relaxar.


8.- O sistema cardiovascular permite que o sangue rico em oxigênio seja bombeado pelo coração para chegar a cada canto do nosso corpo e volte pobre em oxigênio para os pulmões para fazer o intercâmbio gasoso.


9.- O coração da mulher é menor do que o do homem e batendo mais depressa do que o dele. Além disso, os sintomas de alarme nas doenças do coração são diferentes e variam de acordo com o sexo. “Por isso, há maior dificuldade para reconhecê-los.


Quando uma mulher chega ao hospital para consultar um problema do coração chega mais tarde do que o homem, por isso, a mortalidade é maior do que a do homem”, precisa, ao mesmo tempo em que destaca-se que a primeira causa de morte na mulher é a doença cardiovascular, superando até mesmo o câncer de mama.


10.- A mudança de hábitos na vida da mulher, o aumento do tabagismo, a falta de conciliação familiar e sua autoexigencia, são algumas das razões que têm contribuído para que o ataque não seja apenas um problema de homens.


11.- Após a menopausa, o risco de doença cardiovascular aumenta.


12.- É necessário consultar quando surgem os sintomas (dor no peito, asfixia, náuseas) para evitar complicações e melhorar o prognóstico do infarto do miocárdio em mulheres.


13.- Na gravidez, o coração se adapta de forma fisiológica , aumentando o gasto cardíaco e a frequência cardíaca, diminuindo a tensão arterial e sofrendo alterações na coagulação.


14- As células que o formam, embora se possam morrer porque não chega sangue a elas, por exemplo, um infarto, têm a capacidade de regenerar-se. E se, por exemplo, o infarto chega ao coração logo essas células podem se regenerar. Crescem e se modificam. “É um órgão dinâmico”, comemora a cardióloga.